Assaz Atroz

quarta-feira, 11 de março de 2020

Amar é...

.


"Amar não é aceitar tudo.
Aliás, onde tudo é aceito,
desconfio que há falta de amor."  
Vladimir Maiakóvski  

Amar é...
por Fernando Soares Campos
Portal Maltanet -- 10/03/2020
 
Trecho:
 
Geralmente as pessoas se casam criando um conjunto de expectativas ideais em relação ao parceiro e acabam se frustrando. Certamente a expectativa de que os dois se tornarão um só, ou mesmo acreditar no mito da alma gêmea, atrapalha, frustra aquele que assim pensa e não é capaz de refazer seus conceitos na medida em que se desenrola a união conjugal.

Falamos frequentemente que certos casais já não se amam, apenas se respeitam, se toleram, como se respeito e tolerância não fossem expressões de amor amadurecido. O problema é que, talvez inconscientemente, às vezes imprimimos ao termo "tolerar" a conotação de certa penalidade imposta a quem se resigna diante do erro alheio, apesar de tanto condenarmos a intolerância às opções, atitudes ou condições dos outros.   
 
Leia mais: 

...

terça-feira, 21 de janeiro de 2020

Lúcifer está morto

.


Lúcifer está morto


por Fernando Soares Campos

Portal Maltanet - Literatura - 19/01/2020

Trecho:

Em meados dos anos 1990 (infelizmente não lembro precisamente mês e ano), fui convidado a participar da composição de uma mesa de debate no Seminário Arquidiocesano São José, localizado no bairro do Rio Comprido, no Rio de Janeiro. O tema se reportava aos diversos conceitos de céu e inferno, conforme as orientações de religiões diversas. A plateia era composta de seminaristas, leigos católicos e convidados especiais. Os integrantes da mesa deveriam se posicionar como representantes de credos religiosos ou simplesmente praticantes de tal ou qual doutrina religiosa. Também participou um notável professor da próppria instituição católica, o qual se declarava ateu.
Estavam ali representantes do Candomblé, do Evangelismo Protestante, da Igreja Católica (evangelismo católico), do Ateísmo e eu, estudante da Doutrina Espírita. E na condição de mediador, um seminarista, destacado líder estudantil do Seminário Arquidiocesano São José.
Representando a Igreja Católica, ninguém menos que Dom Estêvão Bettencourt (1919 ─ 2008), teólogo, professor do Instituto Superior de Teologia da Arquidiocese do Rio de Janeiro.
O evento representava, simbolicamente, a última aula do curso de Teologia para a turma de seminaristas que se graduavam naquele ano.
Ao ser convidado para participar do evento, imaginei que, no mundo "avançado" em que nos encontrávamos, alunos de cursos de Teologia já haveriam de ter tido acesso a todas as visões de céu e inferno pregadas por todas as doutrinas religiosas do mundo. Principalmente pelas mais ativas em território nacional. Engano.
Leia mais AQUI 

.

segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

As provas da existência de Deus são infinitas como Ele

.


As provas da existência de Deus são infinitas como Ele


por Fernando Soares Campos


Muitos de nós costumamos contemplar as estrelas e, diante da imensidão do firmamento, comparar a Terra a um grão de areia no deserto. “Somos insignificantes em relação ao Universo”, podemos dizer enquanto apreciamos os inúmeros aglomerados estrelares. Porém, durante o dia, quando o Sol brilha, impedindo a visão da abóbada celeste a olho nu, essas mesmas pessoas pasmam-se ao se deparar com a grandeza dos mares, as gigantescas cadeias de montanha, as imensas geleiras das regiões polares, os enormes desertos, as intensas florestas e tantas outras grandiosidades geográficas do nosso “minúsculo” planeta. Encantam-se até mesmo com a vasta extensão de algumas obras humanas, tais como as pirâmides egípcias, pontes quilométricas, grandes edifícios, metrópoles...

Acontece que, à noite, quando nos apequenamos diante da infinitude do firmamento, estamos propensos a negar a responsabilidade que nos cabe sobre a manutenção e equilíbrio da Criação Divina. Por isso, em vista de não sermos capazes de expressar nem mesmo uma noção específica do infinito e da eternidade (qualquer tentativa de formularmos uma ideia de infinito e eternidade acaba nos levando ao Nada), uma angústia oriunda do nosso orgulho de deuses em princípio evolutivo assoma à nossa alma e preferimos acreditar que do nada viemos e ao nada retornaremos. Porém cada novo alvorecer, nos revelando a Terra em todo o seu esplendor, nos desperta para a Realidade, que traz em si os princípios da Verdade.

Ao nos sentir insignificantes diante da imensidão do Universo conhecido, comparando a Terra a um grão de areia no deserto, manifestamos apenas a descrença em Jesus como Filho do Homem, encarnado entre nós com o propósito de orientar nossos caminhos em busca da verdade e da vida.

Deus crê em Deus que crê em Deus que crê em Deus...

Cada átomo tem um núcleo, cada organismo tem um comando, cada organização social tem um dirigente, toda nação tem um governante. No Universo em geral não é diferente. Os planetas, as estrelas, as constelações, as galáxias, os grupos de galáxias, tudo tem governos definidos, subordinados entre si, organizados através do Sistema Hierárquico Universal. Jesus governa o planeta Terra e está subordinado diretamente ao Pai, de quem ele tanto falou, que por sua vez governa o Sistema Solar e se reporta ao governador da constelação a que o nosso sistema pertence.

Na Oração da Ave Maria, os católicos referem-se a Maria, mãe de Jesus na Terra, como Santa Maria, “Mãe de Deus”. Não estarão errados se considerarmos que Jesus é o Regente do nosso planeta e, na escalada evolutiva, está acima, muito além, de todos nós, habitantes do orbe terrestre. Jesus é Deus Personificado para a humanidade terrena, como o Pai o é para o Sistema Solar.

“Vós sois deuses”, disse Jesus e concluiu: “Podeis fazer o que faço e muito mais”.

Portanto Deus crê em Deus que crê em Deus que crê em Deus... Ao infinito. Eternamente.

A matéria é divina, como tudo na composição do Universo

Há quem creia que Deus, inteligência suprema, causa primária de todas as coisas, é simplesmente uma psique ultrassublime, um ser pensante, dotado das mesmas funções psicológicas humanas. Tais pessoas acreditam que os processos cognitivos que empregamos para compreender, por exemplo, a natureza divina, assim como as manifestações afetivas e volitivas que externamos teriam a mesma natureza dos métodos empregados por Deus. Ele, porém, os usaria através de processos tidos como “sobrenaturais”. Esta é, na verdade, a forma como personificamos Deus e nos colocamos na condição de seus semelhantes.

Para muitos religiosos, essa psique ultrassublime (Deus personificado) viria a ser o criador de todas as coisas, inclusive das psiques etéreas (almas), que seriam dotadas de corpos materiais para se locomover e se comunicar entre si, apenas enquanto habitassem o planeta Terra, durante um relativamente curto período. Em seguida, depois de esgotado o prazo de validade, com a morte do corpo somático, as psiques etéreas sobreviveriam independentes, totalmente livres das máquinas tangíveis. Nesse estado, o criador-fabricante separaria as psiques que funcionaram bem, obedecendo às regras de sua empresa, das que se comportaram mal, aquelas que infringiram os regulamentos divinos. As primeiras permaneceriam sob seus eternos cuidados, usufruindo as benesses de um paraíso, uma recompensa por terem seguido corretamente os preceitos supremos, que, desde o momento da criação, estariam registrados em suas consciências. As segundas sofreriam eternamente as consequências de não haverem se comportado bem, ou expurgariam, por um longo período, suas infrações menores e, assim, passariam a habitar entre as psiques imaculadas, obedientes às regras da empresa divina.

É como se as psiques fabricadas em série pelo seu criador, dotadas de máquinas, conforme modelos disponíveis (as etnias), fossem submetidas a determinado período de teste, em que seriam avaliados seus comportamentos éticos. Porém, no processo de reprodução do modelo criado pela divindade suprema, as máquinas dotadas de psiques etéreas poderiam sofrer acidentais falhas, vindo a apresentar eventuais defeitos de fabricação: membros atrofiados, órgãos debilitados, ou a falta de algumas dessas peças, obrigando as psiques nessas condições a utilizarem suas máquinas deficientes, ou desistirem da prova ali mesmo, no final da linha de produção. Outras, durante a fase de prova, sofreriam acidentes que poderiam deixá-las fisicamente deformadas, ou com insuficiência de alguma função orgânica, ou mesmo mentalmente fragilizadas. Em casos de eventos sinistros ainda mais graves, poderiam encerrar seus períodos de teste muito antes de esgotar o prazo de validade da máquina.

Vem daí a ideia de que a nossa massa encefálica é tão somente o veículo de um suposto ser etéreo, que, depois de abandonar a máquina de matéria densa, poderia existir totalmente desvinculado de qualquer corpo material. É como se o psiquismo fosse um ente imaterial cuja dependência do uso de um corpo físico, para se comunicar entre seus pares, ocorresse apenas durante a fase de teste (a existência encarnada). Quem assim pensa acredita que a alma do corpo material vem a ser alguma coisa que possa, em outra dimensão cósmica, manifestar-se independente, livre, dissociada de qualquer tipo de matéria. Isso provavelmente decorre do fato de que consideramos a matéria bruta um elemento inferior, um objeto identificável pelos sentidos básicos da máquina humana, visível, tangível e sensível através de todos os canais de comunicação do corpo físico com o meio ambiente em que se encontra. Enquanto a alma (a psique ou psiquismo), por ser imaterial, representaria o verdadeiro ente sublime, sagrado, venerável. Para muitos de nós, a alma seria a mais importante, a mais significante manifestação de Deus na composição do ser humano, aquilo que sobreviveria eternamente, em vista de sua semelhança com o Criador. Entretanto este ser composto de elementos etéreo (a psique pura) e material denso está evoluindo e alcançará estágios em que identificará a matéria em seus múltiplos estados e inúmeras funções. Então, perceberá como alcançou autoconsciência e como ocorreu o seu processo evolutivo. Assim, perderá o preconceito sobre a matéria e passará a considerá-la como principal parceria do ente etéreo na obra da criação, eternamente sob transformação e evolução.

A matéria é a concentração de elementos do Universo conhecido.

O ente psíquico (a alma) é aquilo que proporciona e controla o estímulo vital na matéria, absorvendo, do conjunto que forma o Universo material, o princípio energético que denominamos “sopro de vida”. E não há razão para o ente psíquico se manifestar sem a concorrência da matéria, mesmo porque não há como nem por que isolar um do outro.

Não podemos dizer que somos simplesmente, como muitos pretendem, um espírito (alma) que habita, temporariamente, num corpo material nem um corpo que possui um espírito, como se estivéssemos tratando de elementos totalmente distintos, ou até opostos. Somos a composição de ambos por toda a eternidade. Precisamos apenas considerar o fato de que ainda não conhecemos todos os tipos de matéria existentes no Universo.

Assim sendo, podemos continuar denominado “reencarnação”, o processo em que o espírito liga-se, sucessivamente, a diversos corpos, renascendo na carne, com o propósito de autoaperfeiçoar-se? Sim, pois estamos falando de o espírito (indivíduo composto de matéria sutil) assumir a vida sobre o orbe terrestre revestido de matéria densa, orgânica.

A matéria é eterna, indestrutível, se transforma; o ente psíquico é eterno, indestrutível, evolui

A ciência ainda não desvendou de forma absoluta as verdadeiras essências das matérias e das energias existentes no Universo conhecido. Acredita-se, inclusive, que possa existir algum tipo de substância formada por elementos distintos de toda composição de matéria e energia que conhecemos. A mais recente descoberta nesse campo é a da misteriosa energia escura, ou energia negra, cuja natureza ainda se constitui num dos maiores desafios para ciência, no que tange, principalmente, aos atuais conhecimentos da física e da cosmologia. O Universo também desperta interesses no campo da filosofia metafísica, através da qual se realizam investigações transcendentes às experiências sensíveis, em busca de fundamentos exclusivamente teóricos sobre as relações entre os corpos celestes, a força gravitacional, a expansão deste Universo, a infinitude e eternidade do espaço-tempo, a possibilidade da existência de vida inteligente, à nossa semelhança, em outras plagas cósmicas, as manifestações da alma humana e a existência de um deus criador de todas as coisas.

Assim como não podemos conceber o Nada, não há como compreender a manifestação psíquica sem um elemento físico, condutor de energia sutil, capaz de realizar o processamento dos dados disponíveis e expressá-los através de movimentos corporais, linguagem oral e escrita, ou mesmo por ondas ou radiações.

Entretanto este ser etéreo está evoluindo e alcançará estágios em que conhecerá as leis naturais que regem sua existência, identificará a matéria em seus múltiplos estados e funções e perceberá como alcançou autoconsciência, como ocorreu a sua evolução. Perderá o preconceito e considerará a matéria apenas um estado natural, igualmente “divino”, quando comparada ao ente etéreo, a psique imaterial.

O ente psíquico nunca se manifestará independente do ente material, mesmo porque não há como nem por que separar um do outro. A diferença fundamental entre um e outro é que a matéria é eterna, indestrutível e se transforma; enquanto o ente psíquico é igualmente eterno, indestrutível e evolui.

A transformação da matéria
Antoine-Laurent Lavoisier, conhecido como o pai ou fundador da química moderna, através de seus trabalhos de pesquisa pôde enunciar uma lei que ficou conhecida como Lei da Conservação das Massas, ou Lei de Lavoisier.

“Numa reação química que ocorre num sistema fechado, a massa total antes da reação é igual à massa total após a reação”.

Ou “Numa reação química a massa se conserva porque não ocorre criação nem destruição de átomos. Os átomos são conservados, eles apenas se rearranjam. Os agregados atômicos dos reagentes são desfeitos e novos agregados atômicos são formados”.

Ou ainda, sob conceito filosófico: “Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma.”

Daí podemos concluir que nada pode surgir do nada; e nada pode transformar-se em nada.

A partir dessa constatação, entendemos que os elementos que constituem o nosso corpo material são eternos, indestrutíveis, eles apenas reagem entre si e se transformam (durante e após o ciclo vital).

A evolução do ente psíquico, a psique etérea

O ente psíquico, etéreo, autoconsciente, individual, único, unido ao nosso corpo material, é igualmente eterno, indestrutível. Entretanto este, à medida que aprofunda seu autoconhecimento, é capaz de criar mecanismos próprios para controlar seus desejos e impulsos afetivos e emotivos; adquire conhecimentos através de processo em que aplica a percepção, atenção, associação, memória, raciocínio, juízo, imaginação, pensamento e linguagem. Desenvolve métodos próprios para o aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas. Nele não ocorre a simples transformação de seus elementos, mas, sim, o progresso quantitativo e qualitativo de conhecimentos e o aperfeiçoamento do emprego de suas principais funções (cognição, volição, afeto e motivação), portanto o ente psíquico evolui.

Podemos também afirmar que, em vista do ente psíquico desejar conhecer a verdade e persegui-la, esta evolui consigo.

Tomás de Aquino afirmou que “nenhum ente esgota a verdade”, e isso reforça o nosso conceito de evolução da verdade.

Hegel dizia que uma tese sempre terá para si uma antítese, e a união dessas teorias formaria uma nova ideia, abrangendo aspectos da tese e da antítese em síntese. E a síntese se tornaria uma nova tese, e, assim, o ciclo se reinicia com a formação de sua respectiva antítese. O que vem a ser isso, senão o caráter evolutivo da verdade?

Se a matéria fosse a causa da inteligência, por que, ao final do ciclo vital, essa matéria, que vinha manifestando tal inteligência, volta ao estado primitivo, em que somente as leis que regem seus aspectos físicos e químicos funcionariam? A matéria continua se transformando eternamente, porém aquilo que os ateus consideram como sendo de suas exclusivas responsabilidades, a inteligência e seus produtos, cessariam.

Matéria e espírito são indissociáveis

A causa espiritual está intrínseca à própria matéria. A matéria é divina, a matéria manifesta a presença de Deus, a matéria revela a existência do ser espiritual, etéreo. A matéria "aspira", eternamente, à eterificação, a exemplo do ser humano buscando eternamente a perfeição. A primeira manifestação inteligente da matéria é o movimento eterno em busca da eterificação (até os diamantes "evaporam"). O Calor é a manifestação mental (metal) da matéria densa, a "causa espiritual". A causa espiritual (o ser etéreo) não cria a matéria, nem a matéria cria o ser etéreo. Ambos são, na verdade, uma unidade, formada pelos atributos "Em si", "Por si" e "De si”, que refletem as onipresença, onipotência e onisciência divinas.

As provas da existência de Deus são infinitas como Ele

De onde viemos?

"A alma dorme na pedra, sonha na planta,
move-se no animal e desperta no homem."
(Léon Denis, 1846 -1927, França, pensador espírita,
conhecido como "apóstolo do Espiritismo".)


Reino Mineral

Na matéria em estado sólido, aparentemente inerte, observamos a presença de Deus através da manifestação dos seus principais atributos:

1) Onipresença: esta é a condição em que a matéria sólida, densa, se apresenta em todo o Universo: visível, audível, tangível, olfativa e gustativa; nesse estado, podemos dizer que a matéria é reconhecida pela manifestação “Em si”.
2) Onipotência: a matéria realiza movimentos próprios de expansão e retração, ou dilatação e contração. Com esses movimentos, a matéria experimenta o poder de automobilidade e ocupação do espaço. Em se tratando da matéria, tal atributo pode ser considerado manifestação da onipotência divina, visto que tal fenômeno se constitui em lei da natureza e ocorre em toda parte do Universo. Tal manifestação pode ser denominada de “Por si”.
3) Onisciência: A matéria no Reino Mineral representa o estado elementar do ser inteligente, é o que se pode entender como o estado primário na escala de evolução dos princípios inteligentes da Natureza. A manifestação da matéria ocorrida através da energia térmica em movimento entre as partículas atômicas, gerando o Calor, corresponde a uma psique rudimentar da matéria densa e pode ser classificada como sendo o seu “De si”. Esse processo termodinâmico é imprescindível para a ocorrência de toda a explosão de fenômenos físicos e químicos no Universo. Portanto, por esse princípio, podemos reconhecer a onisciência do Supremo manifestando-se na matéria em estado mineral.

A matéria em forma de elemento do chamado Reino Mineral, que reconhecemos imediatamente através dos nossos sentidos básicos (visão, audição, tato, olfato e gustação), em simples estado de aparente inércia, não tem consciência de seu trabalho fundamental: movimento e ocupação do espaço. Ela é apenas "Em si", não tem capacidade de perceber o transcurso do tempo. É a matéria chamada inorgânica. Entretanto nela consideramos a existência de determinado potencial, a onipotência de qualquer matéria, o "Por si". Constatamos também a sua alma, a essência material, correspondente à manifestação da onisciência divina, o "De si".

Essa é a matéria primária, sólida, a mais rudimentar entre as matérias, que, na verdade, existe em infinitos estados e porções.

A matéria densa expandindo-se, portanto criando a noção de movimento-ocupação de espaço, sem autoconsciência de tempo decorrido, assume diversos estados, que partem do extremamente sólido ao gasoso. E do gasoso ao plasma altamente energético.

A matéria manifestando-se na condição “De si" revela possuir muitos campos de fuga: a troca de energia entre as suas diversas formas de composição, umas se sacrificando (se unindo) pela sobrevivência das outras (seleção natural). Nesse estágio, pólos diferentes se atraem (se completam), pólos iguais se repelem (se expandem), simplesmente para manter a vida, sobrevivendo através da associação de seus elementos. É a solidariedade universal no seu mais alto grau.

Até este estágio do nosso eterno processo evolutivo, ainda não podemos nem mesmo imaginar a existência de outras formas de matéria, mas podemos acreditar que existam materiais sutis que aparentemente ocupam o mesmo espaço de outras matérias que apresentam altas densidades.

Temos, assim, a máquina essencialmente material com os seus elementos tangíveis (“Em si”) e os imediatamente percebidos (“Por si”), além da energia térmica fazendo o papel de uma embrionária psique (“De si”). Em se tratando de matéria, a lei natural (lei da física) que reconhece todas as suas propriedades vigora em todo o Universo.

Reino Vegetal

No reino vegetal, a matéria se manifesta de forma mais inteligente que no Reino Mineral. O “Em si” e o “Por si” (manifestações das onipresença e onipotência divinas) aparecem em um só conjunto, em que se reúnem o tangível (massa) e o estético, que se configuram através do movimento e gradativa ocupação do espaço, com absorção de elementos necessários à composição de cores e formas, algumas delas apropriadas para proteção contra eventuais agressões do meio ambiente, dotando-se de plasticidade, elasticidade, resiliência etc.

A interação com o meio ambiente e uma possível aclimatação, se necessária para o ajustamento a determinadas mudanças nos ecossistemas, entre outras propriedades essenciais à vida dos vegetais, são de responsabilidade do “De si”, cujas funções já se apresentam sob maior complexidade, pois, além do Calor, como no estado mineral, agora faz uso de outras faculdades: reações químicas, físicas, orgânicas e sistêmicas. Portanto as manifestações tidas como “Em si” e "Por si" expressam no vegetal características mais evidentes de onipresença e onipotência divinas. Enquanto isso, o "De si", que correspondente à onisciência, pode ser observado e melhor compreendido. Este, agora, revela uma autoconsciência embrionária, consciência compacta do transcurso do tempo. Nesse estado, a psique (a alma da matéria-indivíduo-vegetal) possui uma rudimentar consciência de si própria, pois, ao trabalho, está inserida uma avançada “noção da transcurso do tempo", com a programação do ciclo de nascimento, vida e morte.

A matéria-indivíduo-vegetal, através de seus instrumentos de evolução, que correspondem à troca de informações com o conjunto de elementos do Universo, aprende a reproduzir-se e manter a sobrevivência das espécies, que vai criando e espalhando ao infinito, eternamente.

Nos estados mineral e vegetal, a matéria manifesta princípios de inteligência, mas não expressa consciência de sua própria existência. Entretanto, mineral e vegetal são programados através de impressões físicas que estabelecem suas funções e capacidades de adaptação aos meios ambientes em que estejam inseridos. Tudo isso deixa transparecer a onipresença, onipotência e onisciência do Criador.

Reino animal

Os três atributos fundamentais que caracterizam a existência de Deus (onipresença, onipotência e onisciência) estão expressos de maneira mais evidente nos indivíduos pertencentes ao Reino Animal.

Assim como no Reino Vegetal, a matéria que constitui a estrutura física do animal (incluindo-se o homem) é uma máquina viva formada por elementos energéticos (minerais). No animal o processo é um tanto mais complexo, compondo células, as unidades básicas da vida, que formam tecidos, a matéria prima para a confecção de órgãos, estes, por sua vez, em atividade integrada entre si, compõem os sistemas organizados. Tal corpo, “Em si”, representa a onipresença divina, onde quer que exista vida animal.

O indivíduo animal de qualquer espécie tem consciência da força que pode aplicar para exercer o trabalho necessário à sua sobrevivência e à procriação. Portanto Deus o dotou de potente meio para prover a sua subsistência e preservar a espécie. É a expressão do “Por si”. Nisso se verifica a onipotência do Criador.

No animal o instinto tem características de inteligência, fazendo-o reconhecer a si próprio como indivíduo e tornando-o capaz de liderar um grupo de sua espécie, verificando-se entre eles certa hierarquia e dominância. Os animais revelam comportamentos naturais, comuns a todos os elementos da mesma espécie, ou específicos, adquiridos por herança genética, ou ainda aprendidos sob adestramento. Podemos reconhecer nisso os caracteres que determinam a manifestação da onisciência de Deus sobre suas criaturas.

Reino Hominal

“O homem, tendo tudo o que há nas plantas e nos animais, domina todas as outras classes por uma inteligência especial, indefinida, que lhe dá a consciência do seu futuro, a percepção das coisas extramateriais e o conhecimento de Deus”, Allan Kardec: O Livro dos Espíritos, questão 585 e comentário (trecho).

“Vós sois deuses”, disse Jesus, referindo-se a todos nós, indivíduos da espécie Hominal, e acrescentou: “Podeis fazer tudo que faço e muito mais”. Porém, para sermos deuses, precisamos ser dotados dos atributos divinos fundamentais: onipresença, onipotência e onisciência.

Nesse caso, somos deuses porque, em função do nosso estado evolutivo, o mais avançado entre as espécies viventes no nosso planeta, somos responsáveis pela vida, pela reprodução e manutenção de todas as coisas existentes no Universo criado por Deus Impessoal, Infinito e Eterno, o que não tem começo nem fim. Contudo nós somos perpétuos, criaturas eternizadas, aquilo que tem começo mas não tem fim. Essa é também a natureza do Pai, a quem Jesus se referiu. O Pai seria Deus Personificado. Isso ficou claro quando Jesus declarou: “Eu e o Pai somos um”, João, 10:30).

Relativas onipresença, onipotência e onisciência dos seres em evolução

Qualquer conceito que defina Deus como um ser supremo, divino, infinito, eterno, perfeito, imutável, princípio absoluto de todas as coisas, deve atribuir-Lhe três condições fundamentais: onipresença, onipotência e onisciência. Somente através desses atributos, reconhecemos Deus em toda a sua plenitude.

A chave para entendermos a nossa onipotência e onisciência está na consciência da nossa relativa onipresença em todo o Universo. Relativa inclusive para o Deus Personificado, o Pai, para Deus-Jesus, para todos os santos-deuses, deuses-espíritos relativamente bem evoluídos etc.

Ser onipresente, na condição de ser humano, ou supra-humano (é o caso daqueles que vivem envolvidos de matéria sutil), não é poder estar de corpo presente em todos os lugares (isso também vale para um deus personificado, em qualquer grau evolutivo, até mesmo o Pai).

Ser onipresente, para nós aqui na Terra e para as entidades evoluídas que ocupam os espaços celestiais de forma organizada e hierárquica, é, antes de tudo, ter consciência de que aquilo que faço aqui e agora repercute em todo lugar, sem limite preestabelecido, em todo o Universo. Ser onipresente, para as entidades em eterno processo de evolução, é, por assim dizer, ter consciência do "efeito borboleta", que não pode ser facilmente detectado, mas somente intuído. Ser onipresente é respeitar o nosso semelhante, é compreender que somos indivíduos, sim, mas não devemos ser individualistas. Ser onipresente é ter a consciência de que fazemos parte da Humanidade e que, quando qualquer parte de um todo se submete a processo de transformação, o todo terá, de certa forma, se transformado. Ter a consciência de que somos dotados dessa forma de ser onipresente pode nos imbuir da sensação de o quanto somos, igualmente de forma relativa, oniscientes e, daí, nos aflorar a sensação de onipotência. A partir desses reconhecimentos, basta nos impregnar do sentimento de humildade, concluindo que nossa onipresença tanto quanto a onipotência e a onisciência são relativas ao estado evolutivo de nossa consciência.


.

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Saudades do Apocalipse e Elysium, um plágio escancarado

.


Saudades do Apocalipse e Elysium ─ um plágio escancarado

por Fernando Soares Campos(*)

Elysium, uma superprodução hollywoodiana, é um filme de ficção científica lançado em agosto de 2013,  escrito e dirigido por Neill Blomkamp (diretor sul-africano, tornou-se famoso após dirigir o filme "Distrito 9", indicado a 4 Oscares) e estrelado pelos atores: Matt Damon (Matthew "Matt" Paige Damonator, roteirista e produtor norte-americano, ganhou o Oscar de melhor roteiro original e o Globo de Ouro de melhor roteiro, com o filme Good Will Hunting; como Max da Costa, em Elysium), Jodie Foster (norte-americana, vencedora de dois Oscares  de melhor atriz; como Secretária Rhodes Delacourt), Sharlto Copley  (ator, diretor e produtor sul-africano; como Kruger), William Fichtner (conhecido por seus papéis nas séries de televisão Invasion e Prison Break; como John Carlyle, o CEO da Armadyne Corp, a companhia que construiu Elysium) e os brasileiros Wagner Moura (O capitão Nascimento, em "Tropa de Elite"; como Spider Ramos) e Alice Braga (como Frey Santiago). (Informações compostas por dados extraídos do verbete "Elysium", Wikipédia, e dos créditos do filme.)

A história futurista se passa em 2154, quando uma pequena parte da população humana vive em Elysium, uma enorme estação espacial, semelhante a um Cilindro de O'Neill, um habitat artificial disponível apenas para os mais ricos e onde qualquer doença ou ferimento são rapidamente curados em máquinas médicas chamadas de "Med-Bays". O resto da população mora na Terra superpopulosa e pós-apocalíptica.


Baseado nessa visão geral do enredo, o roteirista criou uma trama com pouca dramaticidade e muita ação, utilizando recursos de câmera e edição digital ─ cenas realizadas por computação gráfica.



Acontece que essa sinopse do filme serviria perfeitamente para descrever um conto de minha autoria intitulado "Saudades do Apocalipse", ficção científica, que escrevi por volta do ano 2000, publicado em livro de mesmo título pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores, em 2003 (8 contos e um esquete), fazendo apenas ligeiras alterações, basicamente nas datas em que a história se desenrola e na denominação da estação espacial.



Usando a sinopse de "Elysium" para descrever meu conto "Saudades do Apocalipse":


A história futurista se passa nos anos 2053/54, quando uma pequena parte da população humana vive em SiJOs ─ Sideral Joint Ownerships, estações espaciais, habitats artificiais disponíveis apenas para os mais ricos, muitos deles já ultrapassaram em muito os cem anos de idade (isso quer dizer que contam com as tais máquinas de cura, conforme relatado na sinopse de “Elysium”). O resto da população mora na Terra, superpopulosa e pós-apocalíptica.

O conto é narrado em primeira pessoa, o narrador-testemunha, vivendo no futuro, relata fatos e condições de vida registrados em seu diário a partir de 15 de outubro de 2053 até 5 de fevereiro de 2054. Ele compara os acontecimentos de sua época com a vida no século XX, do qual viveu as duas últimas décadas.



Na narrativa do conto não há propriamente uma trama, apenas testemunho das condições de vida do personagem em sua época, comparadas à sua própria vida nas duas últimas décadas do século XX, porém alguns dos seus relatos coincidem com algumas falas dos personagens de "Elysium".



Exemplos



Elysium:



Max e Frey, ainda crianças, conversam:


Frey: ─ Se você morar lá (em Elysium), você nunca fica doente nem velho (extraído do vídeo dublado em português, 0:03:09).


Saudades do Apocalipse:



Narrador-testemunha: ─ Sabe-se que os milionários que moram nos condomínios espaciais, os SiJO's - Sideral Joint Ownerships -, já ultrapassam em muito os 100 anos de idade. (...) As informações que nos chegam são precárias, porém dizem que três ex-presidentes dos EUA vivem hoje numa dessas estações. Dos brasileiros famosos que se tem notícia, fala-se de dois ex-empresários das comunicações, ambos já senis no início do século, mas atualmente desfrutando seus cento e muitos anos nas estações orbitais - verdadeiras cidades suspensas no espaço sideral (extraído do registro do dia 16 de dezembro de 2053).



Elysium:



John Carlyle, o CEO da Armadyne Corp, a empresa que construiu Elysium e fabrica robôs e naves espaciais, é cidadão de Elysium, mas vive na Terra e eventualmente visita a estação espacial.


Carlyle está conversando, em videoconferência, com autoridades residentes na estação espacial:

Um dos habitantes de Elysium afirma: ─ Se não tivermos um projeto claro de progressão, nossos investidores vão começar a perder a confiança.

Carlyle responde: ─ E o que acha que eu tenho feito aqui na Terra? Acha que gosto de respirar este ar? (extraído do vídeo dublado em português, 0:11:13).


Saudades do Apocalipse:



Narrador-testemunha: ─ Na verdade, quem nasceu e criou-se no espaço, nos SiJO's, ou mesmo quem vive por lá há muito tempo, não tem biorresistência para suportar a atmosfera insalubre aqui da Crosta (extraído do registro do dia 13 de janeiro de 2054).



Elysium:



Max sofre um acidente de trabalho e é exposto a uma grande quantidade radiação. Sabendo que só sobreviverá se entrar em uma Med-Bay, pede ajuda a seu amigo Julio (Diego Luna), que o leva a Spider (Wagner Moura), um "coiote" responsável pelas naves clandestinas que levam imigrantes ilegais a Elysium. Max descobre que carrega consigo informações capazes de tornar todos os terráqueos cidadãos legítimos de Elysium. Só muito raramente um habitante da Terra poderia obter a condição de cidadão de Elysium (extraído da sinopse do filme na Wikipédia e acrescido de informações baseadas na exibição do filme).



Saudades do Apocalipse:



...o Paraíso e o Inferno correspondem hoje à vida no Espaço e na Crosta, respectivamente. Assim, insistem em afirmar que os processos seletivos de condenações e absolvições, conforme as terrificantes revelações proféticas do livro Apocalipse, estejam explícitos nesta separação entre nós, os "excluídos" (habitantes da Crosta), e os "escolhidos" (habitantes dos SiJO's). Mas garantem que ainda resta uma chance para os que aqui ficaram: salvarem-se através do processo de arrependimento e expiações e, finalmente, se submeterem a uma prova de incontestável fidelidade ao SUED - Sistema Universal de Educação e Disciplina, ou - como no original - Discipline&Education Universal System - DEUS (extraído do registro do dia 17 de janeiro de 2054)



Elysium:



Em algumas cenas do filme, pode-se observar que a comunicação da administração pública com a população é feita através de alto-falantes.



Saudades do Apocalipse:



Agora, sem rádio, televisão, jornal, revista ou Internet (só nos resta o Boletim Oficial, lido diariamente através dos alto-falantes), não sabemos mais a quanto andam as outras partes do mundo (extraído do registro do dia 25 de dezembro de 2053)



Elysium:



Devido a um desentendimento que teve com policiais-robô na rua, Max, que se encontra em liberdade condicional, é intimado a comparecer ao Departamento de Justiça, onde tem uma entrevista com um oficial-robô, agente de condicional, que arbitrou determinada punição sem lhe conceder direito à defesa.



Saudades do Apocalipse:



O SUJAZ - Sistema Unificado de Justiça Arbitrária das Zcosgtas - atualmente prefere a aplicação do degredo interplanetário ao confinamento em prisões subaquáticas, ou à pena capital, por acreditar que tal castigo é mais exemplar que a própria morte (extraído do registro do dia 13 de janeiro de 2054).  



*****



A quem se interessar por esta questão e quiser dirimir dúvida quanto ao filme Elysium ser (ou não) plágio do meu conto Saudades do Apocalipse, recomendo assistir ao filme "Elysium" e ler o conto, publicado em alguns sítios da internet. A primeira publicação foi no diário espanhol La insígnia, 2005. Também publicado na revista digital NovaE, 2007. O livro foi impresso em pequena tiragem, em 2003, e hoje pode ser encontrado em algumas bibliotecas escolares e na Biblioteca Municipal de minha cidade natal, Santana do Ipanema-AL.



Também em 2006 criei um blog denominado "O Quinto Cavaleiro do Apocalipse" e publiquei este meu conto  O blog ficou abandonado, sem atualização, mas ainda pode ser acessado: Saudades do Apocalipse. Nesta postagem pode-se ler alguns comentários dos leitores.



******



"Saudades do Apocalipse" (completo)



Por Fernando Soares Campos



243ª ZCOSGTA. 15 de outubro de 2053.



Como cheguei aos 74 anos de idade, não sei. Sei apenas que aqui cheguei. Nasci a 16 de dezembro de 1978, logo completarei 75. Na virada do milênio, eu concluía o curso de Engenharia Florestal, uma teimosia vocacional, ou uma esperança infundada. Infundada sim, pois tudo indicava que, num futuro bem próximo, tal profissão seria declarada obsoleta. Sabia-se que muito em breve as nossas florestas seriam transformadas nos imensos desertos em que realmente as transformaram. E ninguém precisava de bola de cristal para prever tal desfecho.



Antes da desertificação, o Brasil foi loteado em áreas semelhantes às capitanias hereditárias do início da primeira colonização, e os lotes serviram para liquidação das dívidas contraídas junto aos organismos financeiros internacionais.



No final do segundo milênio, nova ordem econômico-financeira do mundo globalizado levou os chamados países do Terceiro Mundo à bancarrota e, na segunda década do século XXI, transformou-os em simples possessões: domínios à moda antiga, agora sob a denominação de ZCOSGTA's - Zona sob Controle da Organização Supranacional para Gerenciamento dos Territórios Alinhados -, ou seja: as zonas sob controle são os territórios alinhados gerenciados pela OSGTA, a superorganização que os administra.

Esta 243ª ZCOSGTA corresponde ao antigo Estado do Rio de Janeiro. São Paulo foi dividido em duas zonas: a 238ª (norte) e a 239ª (sul). Todo o Brasil (exceto a Região Amazônica, pois esta área já havia sido ocupada por um consórcio internacional anos antes) foi dividido em 45 ZCOSGTA's.


No início, aquilo era apenas o que chamavam de imperialismo suave, o soft imperialism, que encontrava defensores mesmo entre nós. Defensores?! Não, mais tarde (tarde demais) os reconhecemos pelo que realmente são: entreguistas. Depois veio essa degradante condição de tutela imperialista nos moldes antigos. Tão ou mais violenta que as ocupações nazistas durante a Segunda Guerra Mundial (raros são os registros que restam sobre essa fase da História). Fomos uma das primeiras nações a se submeterem ao controle da OSGTA, que à época ainda atuava sob os disfarces de FMI, Bird e de outras instituições financeiras internacionais.



22 de novembro de 2053



De onde vem essa chuva oleosa que cai incessantemente? Quais as causas disso? Ainda não estão claramente definidos os motivos que a provocam. Há cerca de cinco décadas, no final do século XX, a cinematografia hollywoodiana, baseando-se nas experiências vividas em Hiroxima e Nagasaki, explorou esse cenário em produções futuristas. Atribuíam-na às consequências de um cataclismo atômico. No entanto, apesar de não se haver efetivado o terceiro grande conflito mundial, a hecatombe nuclear definitiva, aqui estamos debaixo desse gosmento chorume, antes só visto nos aterros sanitários. Nas ruas, as pessoas atingidas pelas primeiras precipitações desse viscoso líquido escuro acreditavam que estavam sendo alvo de uma estúpida brincadeira, achavam que alguém lhes atirava óleo queimado do alto dos edifícios. Tal equívoco provocou muitas discussões, brigas e até agressões seguidas de assassinato. Mas logo fomos informados sobre esse obscuro fenômeno.



Chove sem parar. Se é que podemos chamar esse corrimento atmosférico de chuva. É como se o céu se encarregasse de permanentemente nos lembrar as agressões ambientais que cometemos nos últimos cem anos: imprudentes desmatamentos, excessiva poluição atmosférica, irresponsáveis represamentos e desvios de cursos fluviais, agressivos testes com ogivas nucleares e as mais criminosas agressões ambientais.



Não, não cessa nunca! Ocorrem apenas mudanças no índice pluviométrico e na temperatura do "lodo austral" - denominação que alguns cientistas dão a esse óleo pluvial, por acreditarem que o fenômeno tenha origem no espaço aéreo perpendicular ao imaginário eixo polar sul, onde, supostamente, o globo terrestre processaria a poluição geral do Planeta, centrifugando os poluentes e redistribuindo-os sob a forma de gases concentrados, os quais se condensam e se precipitam dessa maneira chorumenta -. É uma das muitas teorias sobre essa chuva mefítica (o mau cheiro lembra a catinga que se exalava dos canais que margeavam a extinta Ilha do Fundão), a de menor aceitação nos meios acadêmicos, porém a mais difundida entre a população, que hoje é extremamente mal informada (todas as notícias e informações gerais nos chegam via agência oficial da OSGTA, sob o crivo do Departamento de Censura).



O que se conhecia como estações climáticas agora são períodos marcados pela intensidade das precipitações de chorume e sua temperatura. E não mais ocorrem em fases definidas. Outono, inverno, primavera e verão agora são condições temporais momentâneas, com início e duração até previsíveis pelos observatórios meteorológicos; todavia, sem a verificação das fases estabelecidas pelos solstícios e equinócios como antigamente. Portanto, depois de um breve outono de duas semanas, poderemos retornar a um rigoroso verão, com temperaturas elevadíssimas e chorume abundante, durante toda a semana ou mesmo todo o mês seguinte. Sei que teremos um Natal hibernal, apesar de estarmos passando por um período de verão com a temperatura atingindo os 47 graus, porque ontem tomei conhecimento das previsões do infalível Departamento de Meteorologia: "Nas três próximas quinzenas a temperatura do chorume tende a ficar em torno dos 15 graus negativos" - se essa coisa congelasse, teríamos neve negra no Natal.



16 de dezembro de 2053



Aniversario hoje. Completei os 75. Não haverá comemoração. Há muito tempo não se festejam aniversários. Não há motivos que justifiquem comemorações. Poucos, entre os que vivem (sobrevivem) aqui na Crosta, chegam a esta idade. Sabe-se que os milionários que moram nos condomínios espaciais, os SiJO's - Sideral Joint Ownerships -, já ultrapassam em muito os 100 anos de idade. O primeiro condomínio espacial, o SiJO-001, foi instalado nos anos 30 deste século XXI. As informações que nos chegam são precárias, porém dizem que três ex-presidentes dos EUA vivem hoje numa dessas estações. Dos brasileiros famosos que se tem notícia, fala-se de dois ex-empresários das comunicações, ambos já senis no início do século, mas atualmente desfrutando seus cento e muitos anos nas estações orbitais - verdadeiras cidades suspensas no espaço sideral.



25 de dezembro de 2053



É Natal. Por incrível que pareça, a música característica desta época ainda é Jingle Bells, o hino do Natal. Sempre que entramos no mês de dezembro, o alto-falante do abrigo toca-o dia e noite. Basicamente não há justificativa para confraternização de qualquer tipo. Contudo o Natal ainda é lembrado. Nas entradas dos abrigos subterrâneos, onde vive a maior parte dos litosféricos, são montados presépios. É uma iniciativa feminina, nos últimos tempos as mulheres sempre se encarregam de instalar as lapinhas (lembrei-me de minha infância, em minha terra chamavam presépio de lapinha). Existem atividades que só as mulheres exercem, montar presépio é uma delas.



Nem antropólogos, nem sociólogos, nem psicólogos, ninguém consegue explicar as razões, mas o fato é que a mulher ocidental orientalizou-se (para usar este termo que foi um neologismo muito em moda nos anos 2020), abandonou a postura feminista incrementada nos anos 1970, desistiu dos propósitos de emancipação profissional, de prover a subsistência em concorrência com os homens, e reassumiu a condição de aparente submissão ao domínio masculino. Pela via contrária, ocorreu a ocidentalização das orientais. Pelo menos foi isso que vimos enquanto tínhamos acesso à Internet.



Até o final da época das televisões via cabo e satélite, assistimos a muita manifestação feminista (no Oriente) e feminina (no Ocidente). Agora, sem rádio, televisão, jornal, revista ou Internet (só nos resta o Boletim Oficial, lido diariamente através dos alto-falantes), não sabemos mais a quanto andam as outras partes do mundo. Acredito que, hoje em dia, nenhum movimento de protesto ou reivindicação faz sentido em qualquer parte, pelo simples fato de não se ter a quem protestar ou reivindicar.



As ZCOSGTA's não passam de mero conceito geográfico, não têm governo próprio. Muita gente não sabe nem mesmo o que vem a ser governo. Há muito tempo não se usa o termo governar; mas, sim, gerenciar.



Os núcleos humanos são essas aglomerações sem identidade própria. Não se sabe ao certo o que são. Há muitos anos o termo comunidade caiu em desuso. A administração da OSGTA está restrita a pouquíssimas áreas. É o que chamam de gerenciamento mínimo, neoliberalismo (aqui está ele de volta, neomaquiado). Suas atuações mais marcantes estão restritas às áreas de Comunicação, por motivos óbvios, e Transporte - neste caso, especificamente porque temem migrações em massa. Migrar para onde?! - estamos sempre a nos perguntar uns aos outros. Desconfiamos que ainda possam existir na Crosta algumas áreas livres do chorume pluvial. Mas isso é apenas especulação.



13 de janeiro de 2054



Ontem à noite ouvi uma conversa entre uns companheiros aqui do abrigo. São pessoas na faixa dos 40/45 anos, como a maioria dos habitantes dos abrigos subterrâneos. Esses companheiros sabem de muita coisa referente à época pré-chorume.



Fgno, que parece ser o mais velho dos três, perguntou: "O que se imaginava que viesse depois do Armagedom?"



Pxton respondeu: "O Livro Sagrado falava de condenação e salvação: inferno pra uns, paraíso pra outros".



Aí Rtno acrescentou: "As pessoas especulavam sobre como se daria o Armagedom. Muitos imaginavam o Dia do Juízo como um momento em que se desencadeariam aterrorizantes fenômenos, mas esperava-se um evento com dia e hora marcada pelo Criador".



Estou registrando esse diálogo porque me lembrei de uma série de artigos escritos em 2019 por um sociólogo alemão que defendia a tese de que o século XX corresponde ao período apocalíptico profetizado nos livros sagrados das diversas correntes religiosas. Para ele, o narcotráfico, que se disseminou pelo mundo até meados da terceira década do século XXI, seria a representação de um dos Cavaleiros do Apocalipse. Sua tese, até o presente aceita pela maior parte da população, é, a meu ver, uma lucubração fantasiosa, sem nenhum respaldo científico.



A bem da verdade, é preciso reconhecer que, tirante o nazi-fascismo dos anos 1930 e dos 40, os demais fatos históricos do século passado se transformam em romanescos acontecimentos, quando comparados a esta catastrófica situação dos dias atuais. Mesmo o narcotráfico, que chegou a dominar praticamente todo o mundo e ameaçou transformar a população terrestre numa ignava massa de dependentes químicos, está, na categorização mundial da malignidade, em posição inferior às organizações político-financeiras que controlam o mundo atual, lá dos palácios flutuantes, no Olimpódromo (nome dado à via espacial transitada pelas estações orbitais em que vivem as elites dominantes). As viagens à Crosta, para aqueles maquiavélicos manipuladores da Economia, são aventuras radicais: só desembarcam aqui e circulam entre nós fantasiados de astronauta. Na verdade, quem nasceu e criou-se no espaço, nos SiJO's, ou mesmo quem vive por lá há muito tempo, não tem biorresistência para suportar a atmosfera insalubre aqui da Crosta.



17 de janeiro de 2054



(Costumo intervalar de períodos bem mais longos estes registros memoriais, porém um novo argumento me fez voltar aqui mais breve que de costume.)



Ontem me caiu nas mãos um velho exemplar de "O Século XX e o Apocalipse", uma compilação de textos publicados entre 2015 e 2030, os quais teorizam sobre a hipótese de que o século passado corresponda ao período apocalíptico anunciado pelas profecias dos livros sagrados; conforme as conjecturas daquele sociólogo alemão, a quem me referi no registro de 13 de janeiro último.



Os autores dessa obra são unânimes na opinião de que o Paraíso e o Inferno correspondem hoje à vida no Espaço e na Crosta, respectivamente. Assim, insistem em afirmar que os processos seletivos de condenações e absolvições, conforme as terrificantes revelações proféticas do livro Apocalipse, estejam explícitos nesta separação entre nós: os "excluídos" (habitantes da Crosta), e os "escolhidos" (habitantes dos SiJO's). Mas garantem que ainda resta uma chance para os que aqui ficaram: salvarem-se através do processo de arrependimento e expiação e, finalmente, se submeterem a uma prova de incontestável fidelidade ao SUED - Sistema Universal de Educação e Disciplina -, ou - como no original - Discipline&Education Universal System - DEUS.



05 de fevereiro de 2054



Sei que até aqui estou dando a entender que discordo dessa suposta tese que faz do século XX a Era Apocalíptica, na qual teria ocorrido o catastrófico Armagedom, o grande conflito entre o Bem e o Mal. No entanto a minha opinião não é simplesmente discordante. Na verdade, quem vive (?) os dias de hoje e viveu, pelo menos, o último quarto do século XX sabe que, dentre todas as atividades criminosas, dentre todos os cânceres sociais conhecidos até o presente, dentre todas as formas de corrupção ou de qualquer outra degradação moral possível, enfim, dentre tudo aquilo que possa ser classificado como danoso ao ser humano, nada pode se comparar (menos ainda se equiparar) ao ganancioso domínio político do poder econômico, nem ao entreguismo dos vendilhões da Pátria, nem ao funesto poder bélico das arrogantes superpotências. Fatores que, interagindo, formam o maior complexo de geração das desgraças que hoje assolam o Planeta. Depois disso, só nos resta sentir Saudades do Apocalipse.



***

Youtube 

(*) Fernando Soares Campos é escritor, autor de “Fronteiras da Realidade – contos para meditar e rir... ou chorar”, Chiado Editora, Portugal, 2018.

.